Pages

Tuesday, August 31, 2010

da parte seis das bombas e das lamas, desde já se confirma a acusaçao

http://casadedeus.blogspot.com/2010_08_01_archive.html#5347859958904656956

apareceu no texto manuscrita acima publicado, uma confimaçao, casa de casca de ovo, é a casa onde a familia morava ainda junta, av poeta mistral, quando o predio teve obras e foi pintado, bdo, ou seja o passe foi feito nessa altura, apareceu o nome de saude, ou seja vera saudade e silva, a mandante, debaixo das ordens de quem ela serve, a mario soares, como aqui provado em textos anteriores, claro esta a tacada, ou a excitaçao das particulas tera sido feita por um cabrao, sendo que o ultimo que aqui entrou, ser essa besta do psd, mas o processo indica, o medico

ap a receu no tex t o manu s circulo da rita ac ima pub li cado, uma c on fi maçao, ca sa de ca sc ad é ovo, é a c asa onda dea da primeria da familia, instituiçao,  mor ava a inda da junta, a vaso do poe t primeria do mistral,qua n do o pre di o teve o bras e fo i p int ad o bdo, o vaso do seja do circulo do passe,  fo if, cristina coutinho,  e it o ness a al tura, ap a receu do circulo do no mede da saude, o vasp  seja vera saudade e silva, a man dante, de ba e xo das ordens a quem ela serve, priemira de mario soares, c omo a q u ie por v ad o em tex t os ante rato rio ior es, c l aro e sta da primeira tacada, o ua  da primeira,  é x cit taçao das  p art tic cu l as teresa ra s id o , feita, por um c ab r cao, s en doque do circulo do ultimo q u e a q u ei en t rato circulo do vaso, ser essa besta do psd, maso por e c esso indica, circulo do medico

curiosamente o simbolo que dezenhei na pagina tres, a meio, que aparece um diablo, jogo e lam borg gini, a lam da borg gini, que por lá creio qua aperceu nessa altura a morar, lanidor, lan ani id dor, me apareceu ontem numa estaçao de metro, creio que roma, onde estao os mosaicos do abreu, que ecoa ainda em jose abreu, tambem, o que foi morto no helicoptero, como aqui dei conta, sao dois simbolos que aparecem no arco dese painel, onde um homem le um livro de oiro para uma rapariga, dois triangulos de pressao, press sao, es,  com um vaso vermelho em cima em fundo rosa, ps, flor amarela sobre cunha azul, da rapariga que escuta o rapaz e a leitura do livro, saem tres petalas ou tres sementes aamrelas, por cima de um mesmo simbolo inclinado, onde o triangulo rosa é de fogo

cu r iso am que mente, o si mb olo q u e de zen h ei na pa gian t ratos es, a me io, q u e ap rece um diablo, j ogo e lam borg gini, a lam da borg gini, q u e por l á c rei o qua ap perseu e rc eu ness a al tura a mora rato ps, lanidor, lan ani id dor, me ap a receu on te maior nu ma da estaçao de metro, c rei o q u e roma, onda est cao os mosa aicos do abreu, q u e e coa a inda em jo se sea do abreu, t am tambem, o q u e fo i morto no hel i co pt ero, c omo a qui dei conta, sao do si simbolos,  q u e ap a recem no arco de se a pine l, onda um homem le um l iv rode oiro para uma ra pa riga, do is tr i ab gbg gg gulas de press qa cao com um do vaso vermelho,  em c ima em fun do rosa, ps, flor am ar sela dela,  s obr re cunha,  az u l, da ra pa riga q u e es cu t a o ra p az e a le it tura do l iv ro, sa em t r es pet alas  o u t r es semen t es a am mr delas, por c ima de um me sd mo si mb olo inc l ina do, onda deo circulo do t rina ina gula rosa é de fogo














fotos tiradas ontem no metro de lisboa, antes da escrita da parte seis das lamas e das bombas hoje publicada abaixo
xo do c f oto s tir das iradas,  on te maior no metro de lisboa, ant es da es circulo da rita da p arte se is das lamas, é das bombas home oje pub li c ad a aba do xo

oraculo de 31 de agosto do corrente sobre a queda das torres ny

o rac culo vaso primeiro circulo, roc c ric u lo  de 31 de agosto do cor ren te s ob re a queda das tor r e s n y







se bem vos recordeis, um dos eventuais motivos, do crime, da matança nas torrres, aquilo que se chama uma motivaçao ou motivo dos mais prosaicos, o dinheiro, ecoou neste sonho, nso tais que fizeram as torres estas e outras pois essa é pergunta que lhe ponho, que levou a eles me tentarem deitar para o mar com meu pai com uma anel grande que nos prendia pelo pescoço, ou seja, uma imagem muito semelhante ao há lodo no cais, e na realidade se sabe como foi porvado, que um passe de seguro foi feito, a transferencia na vespera da queda das torres gemeas em nova yorque, este é o motivo , ou melhor um do motivos reais plausivel de ter sido a base da matança

se b em v os reco r de is, um dos ev e n tua is m ot iv os, do c rime do crime, da mat ança es nas torrres, a q u ilo q u e se da chama c ham am primeira , uma m ot iva sao es o umo t iv o dos mais, fr,  por s aica ps, o din he iro, e co dp vaso  nest e sonho, ns o tais, br,  q u e fi ze ram as torres e sta se de outras,  p o is essa é ape per gun a t q u e l he p on hoque l evo ua deles , me t en t ar rem de it ar para do circulo do mar com me vaso do pai,  com uma ane l g rande q u en nós pr en dia p elo  p es coço es cortez, o vaso do seja, uma ima ge maior mu it o seme l h ante cao h á lodo no cais, cais, aqui quer dizer joker, e na r del aida dade se sabe,  c omo fo ip por vaso do ad o, q u e um p ass e sede seguro, ps,  fo if, cristina coutinho,  e it o, a t ra sn feren cia na vaso da es pera da queda das torres das gemeas em nova yor vaso qaudrado , e, , este é circulo m ot ivo , o u mel hor um do mo tv iso rea is p l au s ive l deer s id o primeira base da am da tança da matança espanhola

cá estamos de novo nos financeiros e nos grandes grupos economicos, que masi uma vez afloraram, em textos recentes nestes fios que vem desde o brasil e antes mesmo do canada

c á est amos d e n ovo nós dos financeiros, fina ac e iro rose, dos nós g rand es fg rupo s economicos, é cono mico se que massi, italia,  uma v e zorro a flor aram, em tex t os rec en t es nest es fi os q u e ve maior de sd deo circulo 101 do brasil e ãnt es me sm modo canada

somai isto ao conhecimento que se tras de ex presidentes americanos estarem ligados a alguns deles, e o que parece isto ainda de pior desvelar, é que a nova ordem posta em marcha com a queda, ainda serviu para os que o sabiam e portanto nele de alguma forma directa ou inderecta participaram, ganharem dinheiro a conta desta matança que inaugurou por assim dizer uma muito mais vasta no mundo em anos seguidos

s oma mai is to cao c on he cie maior nt o o toque se t rato as de , é x presidente s am erica nós est a rem liga dos gados da primeria da al guns deles, e circulo q u e pa rece is to a inda de p ior d es vela ar, é q u e primeira da nova,  ordem posta em mar cha com da primeira queda, a inda ser vi u para os q u e o sa biam e porta nt o nele,  lede al guma forma di re cta o u in der e cta p art tic ip aram, gan h a rem din hei ro da primeira conta de sta desta matança,  q u e ina u guru vaso por as si maior di ze rato de uma mu it o oma mais v as t ano mundo em ano serpente ss  se guidos, ou seja italia

e que por sua vez alimentou em grande a corrupçao e roubo do proprio erario publico americano, nomeadamente naquilo que se provou dos desvios financeiros durante a guerra no iraque

é quadrado vaso ue, e,  por s ua v e zorro za al da lie em nt o vaso em g rande primeira da corrupçao e roubo, bodo circulo do pro p rio e ra rio publico am erica no, no me ad dam am, que mente na do q ue ilo q u e se por v o, ova do  vaso dos devi os fina ac ce iro s duran , barroso, te primeira dag da  guerra no iraque, ira rac ac quadrado vaso ue

e ainda dos rios de dinheiro que alimentaram muitos, durante a propria guerra, e depois falta dinheiro, assim dizem os politicos ao apertar a canga ao povo, para melhorar a vida de todos!!!

é a inda dos rio s d e dinheiro,  q u e al lie maio nt aram mu it os, duran te primeira por rp ria g ue e ra, e d ep o is fala t td din he iro, as si maior di ze maio do os pol it cos cao pae rta ar da primeira canga ao p c ovo, para mel hor ar primeira v id ad e todos!!!

e as outras torres, assim digo a esse especie de porteiro, me evoca ainda o atentado de okalaama, salvo erro, o lugar, onde um outro edifico caiu há muitos anos atras

 às de outras torres, ass si maior dig o primeira  desse cobra, es pe cie de porte iro, me e v o ca a inda do circulo do atentado,  de o kapa ala am primeira, s alvo e rr o, dp circulo lu g ar, onda de um outro ed if ico ca ei vaso homem do á mu it os ano s at ra ss

ouvi eu tambem ontem pelo espirito que isto fora coberto pela cia, que o sabia, creio referir-se ao nove do onze
o uv ie eu tam am tambem on te m p elo es pi rito q u e is to for a co berto p ela cia, q u e o sa bia, c rei o r efe rai rato traço inglesa se cao n ove do onze de setembro, sete ste mb br vaso bro






parte seis das lamas e das bombas








continuaçao da parte sobre lamas, e explosoes , quinta parte

quarta parte, aqui publicada,no sabado, Saturday, August 28, 2010

recordo contudo antes de falarmos de bombas, e à luz da curiosa imagem do fotografo de ny, mencionado em parte anterior deste texto, sobre radioactividade, um significativo facto, que depois ocorreu nessas bandas do mar, ao pe de um pais, onde tambem uma ilha do mar se formou, a ilha hat, maconico, como se chamou, à imagem de uma outra que fora usada no seculo dezaseis pelo mesmo pais como unico porto franco, explorado na altura pelos holandezes, flamengos, que de novo apareceu nestas linhas recentes atraves do tal, philip, do grupo acionista entre muitos outros do calvin klein no seguimento das memorias de bruxelas


reco rato do do c ot u do antes es de fala rato mo sd e b o mbas, e à lui da cu rio sa ima ge maior do f oto tog raf o de ny, men cio n ado em p arte ante rato do iro d este tex t o, s ob re ra di o c ac ti v id ad fe, um si gn if fi cat ivo f ac toque e vaso d ep o is o cor reu ness as bandas do mar, cao pede de um do pais,tvi, onda eta tam am tambem uma ik l h ad o mar se for mo ua da ilha hat, maconico, c omo se c ham o u, à ima ge maior de uma outra, q u e for a usa sada ano se x dez ase is p elo do mesmo pais, c omo uni co do porto, o franco, é x p l o r ad dom om an al tura p elos h ola land ez es, fla men g os, q u e de n ovo ap ar receu ene sta serpente das linhas recentes, at r av es do t l ph i l ip do g rupo ac cio ni sta en t re mu it os outro as do ca av in k ele in no se gui men to das me mor ia s de br u x delas,

uma imagem que de alguam forma ilustra o que se poderia chamar de um cancro, sendo os cancros imagem de radioactividade, como analizava das palavras do fotografo que criara a imagem do cogumelo atomico nas torres, algo distinto mas semelhante, e aqui neste fio, se corporiza uma especie de assinatura deste mesmo dizer, e desta mesma condiçao, a praga das medusas que apareceu depois junto ao japao

uma mai mage em q u e de al guam forma i lu st ra circulo q u e se pode ria c ham mar de um can c ro s e n do, os cancros, sima ima ge maior de radio cat iva dec o mo ana li iza ava das pal av r as do foto tog rafo q u e c ria ra a ima ge maior madeira do co gume melo ato atom mico nas torres, al g o di s tinto mas seme l h ante, é a qui aqui, nest e fi o, se corp por i z xa uma es pe cie de as sin a tura d este me sm o di ze r, é de sta da mesma condi sao es, primeira da praga das med usa s q u e ap ar e eu d ep o is jun t o cao ja pao

ou seja uma reproduçao inexplicavel das medusas, como um cancro nelas que as levasse a uma enorme multiplicaçao, e sendo ainda, que se percebeu pela reaçao das pessoas a elas, que as começaram a matar, que ainda mais agravou o caso, pois na iminencia da morte, as medusas expelem por questao de sobrevivencia todo o semem, e assim quanto mais se mataram mais aumentam, curiosa imagem, de cancro e tabem de virus de certa forma

o u seja uma r e pro duc sao es ine x p lic ave l das med ua s, c omo de um cancro nelas, q u e as l eva asse a uma, en o r ma mul t ip li caçao, e s en do a inda, q ue se per ce beu p dela, rea ac sao es das p esso as asa primeria delas, q u e as com ç aram cortez, a mat ar, q u e a inda mais, fr, a g r av o u o caso, p o is na iminen cia damo da morte, ás medusas, e x p leme por q ue st cao de s o br e v iv en cia todo do circulo do semem, e as si maior qua nt o mais se mata aram mais au men tam, cu rio sa ima ge maior madeira de c anc r oe eta b em de vi rato ru s de c e rta forma

atalhando caminho, durante o pensamento deste fio deste linha deste imenso enigma, mais uma vez ouvi, que fora o japao, que a tecnologia usada na queda das trres, fora, ou viera, ou fora concebida pelos japonezes, e tal me faz, ou melhor sempre me fez algum sentido, por duas razoes, o facto do japao ter sido bombardeado pela america com duas bombas nucleares, pela tradiçao de honra nesse belo país, que sabeis que tanto gosto, e ainda porque tem eles desenvolvido alguma tecnologia no campo electro magnetico, e mais recente ainda, uma imagem que aqui abordei, de uma estranha ionizaçao visivel no ceu antes de um tremor no japao

atalando, ata lan do ca minho, duran barroso, teo circulo do p es na men t o d este fi o d este lina hd deste ime ns o eni gam, oma mais uma da onda v e zo uv i, onda q u e for a o ja pao, q u e a tecno lo gi a usa sada dana queda das t rr es, for cao u viera, o u fora c on ce bid a p elos j ap one z es, e eta al me f az , o u mel hor se mp re me de fez al gum s en t id o, por du as r az o es, o f ac ato doj ja pao teresa s id o b om mb bar dea do p ela am mer cia com du as b o mba s nuc lea era sp dela t r ad di sao es de hon ra ness e b elo país, tvi, q u e s abe is q u e t anto g os toe a inda por q u e te maior deles, d es en volv id o al gum a tecno p lo g ia ano cam po dele t roma gn etic o, é ema mais rec en te a inda, uma mai ima ge maior q u e aqui ki, a bode dei, de uma est r anha ion iza sao es v isi v el no c eu ant es de um t remo mor do tremor r no ja pao

como tenho relembrado a todos, só os tolos pensam que a justiça, se esgota no tempo que as leis manhosas de alguns criaram para tentarem escamotear as responsabilidades de seus crimes, e se por ventura foi o japao, ou algum japonzes que o fez, percebo o, e mais digo em justiça, que os tres mil que se forma em nova yorque é conta ainda pequena para o imenso mal e matança que a america fez no japao nesse altura, onde os mortes, ascenderam a mais de duzentos e sessenta mil e os efeitos de doenças se arrastam ainda pelas geraçoes, atraves das mutaçoes

c omo ten ho rato dele em br ado a todos, s ó os t olo s pen sam q u e a da justiça, se es sg gato da ota no tempo q u e as das leis manhosas , de al fg un s c ria aram para t en t a rem esca mo tear ás e r sp o sn s ab bil id ad es de se us c rim crimes es, e se por v en tura fo io ja p cao, oui al gum j ap onze es q u e do circulo de fez, narrocos, per cebe do traço ingles circulo, é ema mais dig o em justiça, q u e os t r es mi l q u e se da forma em noa vaso de y o ruc q e é conta a inda pequena para da primeria i men s o ma mal da al e mata n ça coretz, q u e primeira da america fez no j a p aco ness e al tura, onda os mor t es, as c en de ram a mais de d u zen to ze se s senta mi le os f onda efito de do enças es s se ar rata sm a inda p delas, ge raçoes es, at r av es das mu taçoes co espanhol cortez

há tambem uma chave aqui no Livro da Vida, sobre um conjunto de fotos apos a destruiçao das duas cidades do japao, pelas bombas nucleares,

homem á t am tambem , uma c h ave aqui ki ino L iv roda daVid a, s ob re um c on jun to de f oto s ap os ad es t rui sao es da s d duas ci dd ad es do j a p ao, p delas b o mba s nuc lea ares es ,

contudo, como já provei, mesmo que a tecnologia tenha vindo do japao, isto não contradita ou anula, o facto provado e mais gravoso para a propria america, de que o governo americano, cobriu e portanto participou neste atentado, que serviu de pretexto para uma tentativa da nova ordem mundial, que de certa forma se entronca, numa das outras linhas , ou possibilidade de motivos, que mais uma vez se desvelaram a atraves da gravura de bartolomeu cid, a levaçao da porta do norte, ou seja, o que nela se ve , é um quadrado, uma muralha, ou seja, um conjunto de homens e suas obras, e por cima o aparecimento da esfera, ou seja , de um quadrado se tenta emergir o conceito e a substancia do uno , representado na esfera, uma tentativa de uno e de elevaçao, sendo que esta linha é muito vasta e nos leva a muitos outras paragens, que aqui não sera neste ponto ainda abordadas, se bem que vos falei em voz, como recordais, em dia recente, da profecia maya, e de um conjunto que por ela podera ter sido motivado pela tentativa de salvaçao a assim agir, ou simplesmente pelo conheciemnto de como o mundo se encontra e já se encontrava ness altura, o millenium

c on tudo, c omo j á por v ei, me sm o q u e a tec no log ia t en h a v indo do j ap cao, is to n cão c on t ra ad da dita, o u anu la, o f ac ato por v ad o e mais g r av os o para da primeria por p ia am mer cia, deque do circulo do dog do governo amerciano, am mer rc cia ano, cobriu, e porta nt o p art tic cip o u nest e atentado, q u e ser v u de pre te t x o para uma t en tat iva dn ova da ordem mu n dial, adsl, q u e de c e rta forma se en t ronca, nu m ad as de o u t y r as das linhas , o u p os sibi bil dade sd e mo t iv os, q u e mais uma v e z se d es vela lara can ram a tar av es da g r av ur a de bar t olo me vaso do cid, a l eva sao es da porta do norte, do cds do norte, o u seja, o q u e nela s eve , é um do quadrado maior, uma m ur alha, o u seja, um com n jn u to de h ome ns e s u as obras, é por c ima mao par e cimento da es fera, circulo do use seja , de um au duplo quadrado, estrela penta gato rama, fcp, rato do ado da se e tn a te mer g iro c on ce it o, é a s us bs tan cia do un o, r ep pr es en t ad dona es fera, uma ten tat iva de un oe de dele eva sao es, s en doque desta, a da lina, homem é mu it ov ova as t a e nós l eva primeira de muitos de outras pa rage sn, q eu a qui n cão se ra nest e ponto a inda ab o rda d as, se b em q u e v os f al ei em v oz, c omo reco rda isa, em dia e cente, da por rf cia maya, e de um c on jun t o q u e por dela, pode der ra teresa s id o mo t iva ad o p dela , a da t en t av iva de s al v aç sao es primeira ass si sima mag gi da ira do rato top das putas do ps, dps, fr, tempo expo, representaçao pantalha, p anta da alha, do bonifacio, b oni f ac cio io, historia aqui contada, co pn t ad a, ou si mp l es ,mente, p elo c on he cie m nt o de c omo o mundo se en contra e j á se en c on t r ava ness al tura, circulo do banco do millenium


e na verdade como sabemos, e ainda bem por um lado, muitos foram os seres que se elevaram neste tempo,

e na verd ad e c omo s ab emo se a inda b em por um lado, mu it s o forma os seres q u e se dele eva vara ram am en ste deste tempo, tem mp circulo

acrescentando isto, repito o paragrafo que terminava a parte anterior sobre esta materia

ac r es cent ando is to, r e pito o pa rag rafo q u e ter mina ava a p arte ante r ior s ob re e sta mate ria

relembrando em suma isto, falemos entao de bombas, e da imagem que as gentes tem de bombas convencionais até a nuclear incluida, pois a primeira imagem que ocorre, é em termos simples, uma carga de natureza explosiva, um detonador que a detona, e uma explosao, ou seja uma fragmentaçao de muitas coisas que ocorre no espaço quando detonada, um sopro

rato lem brando em s uma is to, f al emo s en tao de b o mba seda imagem, q u e as g en t es te maior de b o mba s c on v en cio ni s a té a nuc lea ar rin inc lui id a, p o is a primeira ima ge maio do q u e o cor re, é em termos si mp l es, uma c arga de na t ur e za, e x p l o s iva, um det on ad dor q u e a det on a, e uma e x p l o sao, o u seja uma fr a gm en taçao es de mu it as co isa s q u e o cor reno do es paço , qua n do d e t on ad a u m s o pro

trazem os seres imagens e conhecimento de que quando uma bomba rebenta, a casca, por assim dizer, se fragmenta, e é projectada pela chamada onda de choque pelo espaço, mas muitas outras coisas se expandem no espaço sem que sejam visiveis ou sentidas por outros sentidos, este tipo efeito do que poderiamos chamar de um bomba antiga convencional, desde a da velha polvora até a nuclear, onde esse efeito da casca, está presente de outra forma, e tambem só é perceptivel nos momento iniciais, pois quem o sente, quer dizer que esta no raio da sua acçao e portanto de seguida morre, ou começa a morrer, dependente da distancia a que se encontra, como o caso daqueles que estando a oitocentos quilometros do local do impacto descreveram, e cuja acao da bomba, e ve nos objectos das fotos que aqui um dia publiquei sobre as bombas no japao

t r az em os ser es iam mg en se c on he cie m ny t o deque qua n do uam b o mba r e b en t a, a ca sc a, por as si maior di ze rato da se fraga em nt ee, é por ject ad o p dela, c ham ad a onda dec cho q ue p elo es paço, ma serpente de muitas outras co isa s se e x pande em no es paço se maior q u e sej am v isi v ei s o u s en t id as por outros rop pse ross rose, en t id os, este t ip o efe it o doque pode ria amos c ham mar de um b o mba antiga c on v en cio n al, de sd dea primeira da da velha pol v o ra a té a nuc lea rato ps, onda desse cobra efe i t o da ca sc a, e sta pr es en t d e de outra da forma, e eta tam am tambem s ó, é per ce pt iv el nós mo men to i nic ia sp o is q u eo o s en teque rato di ze r q u e eta no r z io da s ua ac sao e porta nt o de se guida mor re, o u co meça es a mor r e r , d e pen dente , mente, da di stan cia a ue se en contra, c omo do circulo do caso daqueles q u e est ando a o it toc en t os qui lome metros do l ocal do im pacto d es c reve evev ram e cu j a ac cao dao s e ve nós ob ject os da s f oto s q u e a qui um dia pub lui q u ei s ob re as das b o mba serpente do bn do circulo 101 do j da ap cao

continua,,,

Sunday, August 29, 2010

ainda alguns remates sobre o texto da carta ao brasil, que aqui diferencio, pelas razoes que abaixo explico


a inda al gus n r ema mat es s ob reo circulo do tex t , o da carta cao bras si l, q u e a qui difer en cio, p delas,  r az o es q u e ab aixo , é x p lic o

Como disse em vídeo recente, são diversos os fios que se cruzam e começam, a partir desta imagem do brasil, a do dia cinco de agosto, que na realidade, vem desde o dia do jogo do brasil no campeonato mundial, assim publico esta primeira parte, em simultâneo com o outro aspecto de um dos lados do mesmo assunto, as lamas, que leva as bombas e que corresponde ao anterior publicado, que será também alvo de continuação

C omo di s se em v id deo rec en te, sao di v e r s os os fi os q u e se c ru uza zorro da m e co meça cm, a ap art tir de sta da imagem do brasil, a do di ã cino node de agosto, q u e na rea l id ad eve maio de sd e o dia do j god o brasil no do cam da pena o nt o mundial, as si maior do jornal publico e sta prime ira p da arte, em si mula t neo com do circulo do outro , as pet code, um dos lados, polacos, do me sm o ass un to, as das lamas, q u e l eva ás b o mba sec q u e cor r es pi onda deao ante rato do ior pub li cado,br q u e se ra t am tambem al v o de c on tin ua sao espanhola

Ainda algumas notas sobre o brasil, decorrente da imagem das lamas que aqui na rua aconteceu, ou melhor, fizeram acontecer, e outros fios que a partir dai se desenvolveram, sendo que no entretanto um deles, um texto cortado a partir de um outro da net sobre o calvin klein, algum daqui do meu pc o roubou, a família fantástica, agora me disse o espírito, donde do cabrão do bau, ex tv cabo

A inda al gum às das notas s ob r e o brasil, deco rr en rte da ima ge mda serpente das lamas do quadrado do vaso, e , aqui na rua ac on teceu, o u mel hor, fi ze rama c on tecer, é outro serpente fi o sd q u e da primeira p art tir da ise d es en volve ram, s en doque no en t r eta nt o de um deles, um tex c t ox orta ad o a p art tir de um outro da net s ob reo c al v in kapa do primeiro rol ein, rol alemao, matança na love parade, al gum daqui do me vaso do pc o ro u bao vaso da primeira puta da familia fantas tica, agora da me di s seo es pi rito, don dedo do cabrao do bau, é x tv cabo

o numero da casa em frente ao bueiro é como relatei, o cento e três, este numero remete para uma linha antiga aqui comentada sobre um cio feito através de uma campanha de um carro francês, salvo erro o cento e dois amarelo, que trazia, uma indicação precisa de um cio de eventuais encontros, na travessa ou rua da azinhaga dos besouros, algo para os lados da praia da maça se bem me lembro, e ainda no mesmo tempo, uma imagem da rapariga da coco channel, a bela grega, anna , que antes ou depois também apareceu na revista dos bandidos do dn, isto junto se avivara na imagem do brasil, também pela presença da tal carrinha com a matricula onde eu lera de imediato ao momento, onda atlas, e que me remetera como primeiro disse, pelos fios que vinham de tras, mesmo antes do dia cinco, para a onda do tsunami, asiatico,

circulo do sic culo n um mer do ero da casa em frente ao bueiro, o do cao, o do bueiro, é c omo rato top dela, t ei, circulo do cento e tres de este n um ero reme teresa para de uma da linha, antiga, puta velha, a qui com en t ad a s ob re um cio, feito, at r av es de uma cama pn homem da ad e um do carro frances, s alvo e rr dp do cento, é do is am mar do elo, quadrado e vaso e cruz r az ia, uma indica do caçao pre cisa sade de um cio de eve nt tua is en c on t rato os, na travessa, do possolo, o circulo cv do vaso da rua da az in home da primeira gados dos besouros, al g o para os lados, polacos, da pr ia da dama da maça, se b em me lem br oe e a inda no do mesmo te mp o, uma ima ge madeira da ra par riga da do coco c h anne anel, primeira do ab a bela grega, anna , q u e ant es o u d ep o is tam am tambem ap a receu na revista dos bandidos do dn, is to j un to ze av iva vara ana ima ge madeira do brasil, t am tambem p dela, pr es ença es da t al car rinha com a mat rui ucla onda e vaso ler da primeira do imediato, cao mo men t o da onda atlas, e q u e me reme cruz do ra c omo do primeiro, socrates, di iss se, p elos fi os q u e vinha ham da am de t rato ps as, me sm o ant es do dia c inc o, para da primeira onda do tsunami, a si a tico

como dei conta, esta leitura me pertubou ao inicio, pois atlas em minha consciencia naquele momento, bem como em outros aqui relatado me remete sempre para as grandes matanças do sudoeste asiatico, e alguma razao, como a que acima se começa a desvelar, certamente existira , para alem da obvia, que se manifestou aqui na manha de dia cinco, o facto do jorro ser lama, cor de merda, e de lama, como o segundo tsunami, no sudoeste asiatico

c omo dei conta, e sta lei it da tura da me per tubo vaso cao i n i cio, p oi s at l as em min homem da primeira co ns ci en cia naquele moe maior nt o, b em c omo em outros aqui ratos dela lata ad circulo do me reme teresa se mp re para ás g rand es das grandes matanças do sudoeste asiatico, é al gum a r az circulo do zo da primeira, c omo da primeira q u e ac ima se co meça es da primeira ad es vela ar rato ps, ce rta em nt e, é xis tir da ira , para al lem da ob da via, q u e se man if est circulo lobo do vaso u aqui na manha de dia cinco, circulo do f ac ato do jo rr rose ser lama, cor de merda da rda, é de l am da primeira, c omo do circulo do segundo ts un am ino do sudoeste asiatico

a bela anna mougalis, ou por outras palavras neste jogo de espelhos dos assasinos do dn, a ana do amo vaso gali serpente, ou ainda gal, gata al do lis, se bem se recordarao, caso não, leiam as notas no livro da vida por sua vez entronca, ainda num simbolo, a estrela dos raios, como o lima de freitas outrora a pintou, num qaudrao salvo erro de memoria com uma citaçao de novalis, fac nova al lis, e apareceu ainda espelhada numa revista com outra bela grega, a aniston, e ainda remete para umas semelhantes em prata e oiro que comprei na rua ao lado do s luis, vide notas do passe , do dia do jopgo do brasil, numa loja com um nome, italiano, mille fiore, com outras peças cujo historia dos respectivos simbolos aqui contei

primeira da bela anna maior do circulo do vaso gal lis maconico, o u por outras pal av ratas as nest e j ogo gode dos espelhos, o dos ass a sin os do dn, a ana do amo vaso gali serpente, o vaso da ua da primeira inda, gal, gata al do lis, se b em se reco rda dao, caso n cão, le i am às notas no l iv roda david a por s ua v e z en cruz ronca, a inda nu primeiro si mb olo, primeira da estrela, a dos raio s, c omo do circulo do lima de freitas, de outrora, primeira pin pinto , nu ~maior q au dr cao s alvo e rr o de me moira com de uma cita taçao de n ova lis, fac nova al lis, e ap a receu a inda es p el home da ad da primeira do ano , nu ma da revista com de outra bela g rata ega, primeira aniston, é a inda reme tee sa para um as seme l h ant es em prata e o iro roque , co mp rei na rua cao aol lado do s luis, v id e n ota serpente do passe , do dia do jo p god o brasil, nu ma da loja com um no me, ital ian ano, mi ll e fio rec om de outras pe ç as cu jo da historia , dos r e s pe ct iv os si mb olo saqui c on t ei

ou seja temos aqui, diversos territorios, grecia, italia, brasil e portugal, diversas personagens femeninas que neste fio deste plano se cruzam, uma relaçao com as praias da linha, onde aconteceram diversas mortes, uma meta ideia simbolizada numa pintura do lima de freitas, e as pecinhas, que sao sementes, agulhas veios e engernagens, ou seja não deixando de remeter para carro, e para motores, de desgraças diversas como dá conta a outra linha, da essencia da merda, das lamas, da matanças no brasil e antes e mais grave no sudoeste asiatico, e mais grave, por detras os jornais diversos, que prepararam as desgraças, usando gente que na mais da vezes não passa de miudos

o vaso do seja t emo s aqui, di ver s os terri it tori os, g rec ia da italiana, bras ile le portu gal, di ver s as pers on a ge ns feme ninas q u e nest e fi do circulo de este, p lan ano se c ru uza zorro da am , uma do tribunal da relaçao com ás pr ia serpenet da linha, onde ac on tec e ram di vera serpente das mo rtes, uma met da primeira da ideia , si mb o liza z ad a nu ma pin tura do l ima de freitas, é ás pe das cinhas jardim, q u e sao semen t es,das agulhas e eve io da se en g rna ge ns, o vaso do seja n cão de ix ando de reme da cruz rato do para do carro, é para m oto tor rartos es, de d es sg ratas aças es div er s as c omo d á conta da primeira de outra da linha, da esss se n cia dame da merda, das l lam as, da mt anças es no b rai s le ant es e ema mais, fr, g r ave no sudoeste asis tico, ou seja de um outro terrorista do ps, o assis, primeira do sis tico, da serra, e ema mais g r ave, por det rato ps as os dos sj dos jornais, di ver s os, q u e pre par aram as d es g r aças, usa sand o gente q u en da primeira mais , da v e z es n cão p ass sade miudos

continua...

continuaçao da parte sobre lamas, e explosoes

1 parte

http://casadedeus.blogspot.com/2010_08_01_archive.html#6384065960120068390

2 parte

http://casadedeus.blogspot.com/2010_08_01_archive.html#8255623805576754634

3 parte 

http://casadedeus.blogspot.com/2010_08_01_archive.html#8255623805576754634

quarta parte
qa u rta p arte
no seguimento da demonstraçao da impossibilidade de se ter usado uma bomba nuclear no sudoeste asiatico, referenciada na parte anterior deste texto, já publicada, emergiram tres outras possibilidades, uma nova tecnologia como a de fissao, ou outra usando uma cadeia de satelites, e ainda o que chamei de bomba eletro magnetica, sendo que pelo espirito ouvi depois, there is not such thing, ao que me apetece logo começar por responder, e as torres em nova yorque tambem não foram pulverizadas

no se gui men t , o da demo sn cruz raçao da i mp oss sibil bil id ad e de se teresa usa sado poker, uma b o mba buc lea rato ps nó do sudoeste asiatico, refer en cia dana p arte ante ior de este ste tex t o, j á pub li c ad a, e mer giram t rtas ratas es de outras p os sibil bill id ad es, uma nova rte tec no olo gi a c omo, a de fi iss sao, o u outra usa ando, sata, s ata, uma cade ira de sta e lite se a inda o q ue c ham ei d e b o mba ,ele cruz roma mag gn etic a, s en doque p elo es pie it dp u vide p o is, t her e is not suc h t hi ing, aoc ue me a pet rt tec e l ogo co meçar es pro rato rr, r e spon der, é as torres em nova yorque tambem, n cão foram pul v eri iza ad as

este facto, o de não ter sido usada uma bomba nuclear, diz tambem , ou melhor deita por terra a possibilidade de qualquer naçao que as tenhas as emergentes, como o caso do irao, a terem usado nestas circunstancias, e portanto consequente deita por terra tambem toda a insistencia, da parte da america nesse absurdo controlo, que como aqui recordava em dia recente na televisao numa estranha entrevista aqui comentada com essa puta histerica, a da rtp, a marcia, a tal chamada inspecçao implicou a presença quotidiana de quatro mil digamos, inspectores, certamente um, para ver cada parafuso ou centimetro cubico dos reactores, e das centrifugadoras, que o irao teve durante mais de um ano todos os dias em sua casa, segunda narrava aqui o ministro

este f ac tom, o d e n cão teresa s id usa sada uam b o mba nuc lea rato ps, di zorro do t am tambem , o u mel hor da deita por da terra primeira, br, p os sibil bil id ad de q ual q ue rata n aça cao es q u e as ten h as o u i a s e mer gente s c omo do circulo do caso do irao, a teresa rem usa do nest as c irc un s tan cia se porta nt o co nse seq u en te da deita por da terra t am tambem , toda da primeira in sis ten cia, da p arte da am erica ness e a b us rato do c on t rolo, q u e cv omo aqui , reco r da ava em dia rec en te na tele da visao nu ma est ran anha en t r e vaso ista a q u y i com en t ad ac om dessa put y a hi s te rica, primeira da rata do tp, a marcia, a t al c ham ad a in sp e cç sao es i mp lic o ua por es e n l ça es q u o ti diana de quatro, mi l dig am nós in spect tores, ce rta em nt e um, para ver c ad a para a fuso ou ce mt tit it ro c u bico dos rea c tor es, seda s c en t rif fg guga d r as, q u e o ira ~circulo da teve duran te mais, fr, de uma no, todos os do psd dias em s ua c asa serpente, se gun da ana rr ava aqui circulo do ministro


bem sabemos que a america tem criado sempre suspeitas do irao estar envolvido eventualemente até na queda das torres, em forma directa ou indirecta, e um dos pretextos da guerra lançada depois da queda contra o iraque teve tambem este pretexto, mas tambem se sabe que não foi uma bomba nuclear que rebentou com as torres na america, nem que a tal lista inicial dos mais porcurados que o regime apregou teve alguma cosia a ver com isso, e tambem se sabe que a america violou sistematicamente os direitos humanos por um conjunto de territorios do mundo, obtendo a autorizaçao e concordancia de muitos estados e paises que albergaram inclusive sitios secretos de interrogaçao, o chamado caso dos voos da cia

b em s ab emo s q u e primeira da america te m c riad o sempre s us p e it as do irao es star en vol v id o ev en tua lam am, que mente , a té na queda das torres, em forma di re cta o u in di re cta é um dos pre te txt os da g e uu ra lança da de p o is da queda, co n rt cao circulo do iraque teve, tam am tambem de este pretexto, mas t am tambem se sabe, q u e n cão fo i uma b o mba bn u cle lea da ar q u e r e b en t o u com as torres na am mer cia, ne maior q u e a t kapa l a l ista in nin nini c lado s mais, fr, por cura dor 4 os q u e o regime a prego u tev al gum a co ia sa ver com iss o, e eta tam am tambem se sabe, q u e a am erica vil o u sis t ema tica cam mne nete os direitos humanos por , um c on jun to de te r rito rio as do mundo, ob t en do a au ot ii z xa sao es e c on corda n cia de mu it os est ad os se pa ise es q u e al beg aram inc l us ive s it y iso ser , e t os de inter r o ga sao es, o ca ham madeira do caso dos vaso do dp do sd da primeira cia

a imagem do eventual uso de uma bomba nuclear nas torres, o ultimo fio que aqui entrou, aparecera atraves das fotos de um fotografo de nova yorque aqui comentadas, onde ele por colagens, criava uma imagem de um cogumelo atomico, ou seja dizendo ele sem o dizer, como uma bomba nuclear invertida, e aqui comentei tambem na altura, que nada do que se sabe , nomeadamente pelas muitas doenças que a muitos afectam hoje em dia, aqueles que viveram e levaram com os pós da queda em cima, apontava isto, ou seja, se estivessemos perante patologias radiactivas, e tal deveria ter sido consequentemnte relatado pelos medicos e portanto seria do conhecimento publico de todos no mundo

primeira ima ge maior mad ira dd o us sode de uma b o mba nuc lea raty o p nas torres, o u l t imo fi o q ue a qui aqui, en t ro vaso, ap ar e cera at r av es das f oto sd e um fo tog rafo de n ova y oi r q u e a qui aqui, co men td as, onda dele, por c ola lage ns, c ria ava uma mai ima ge maior de um co gume elo melo ato m i co, o u seja di zen do dele s emo circulo di ze rato rc omo uma b o mba nuc la e ra invertida, é a qui aqui, co men t ei tam b mna al tura, q u e n ada doque maderia, se sabe , noe ema mad ad dama do dam am, a que mente, p elo ás mu it as doenças q u e a mu it ts o a fe ct tam am h oje em dia, a q u deles, q u e v iv vera ram e l eva ram com os p os da queda em c ima, ap on t ava is t dp u seja, se es tui v ess emos peran ran te pato tol lo gi as ra dica t iva s, t al d eve ria tereas s id o co nse q u en te maior nt e r ed dela la td o, p el s o medicos e porta nt o se ria do c on he cie m nt o publico de todos n o m un dó

mas nenhuma informaçao chegou que confirmasse ou apontasse este facto, que poderia provar a presença e uso de uma arma desta natureza na queda das torres, contudo a imagem não deixa de ser curiosa, pois ilustra dois aspectos, a desintegraçao, expressa pela onda enorme das poeiras, como a imagem do mar no sonho preomonitorio da queda que aqui relatei, e e inversao, que entendo, como se semelhante, distinta,

ma s n en h u am in for maçao c h ego u q u e c on fi r masse o u ap on tasse este f ac ato, q u e pode ria por vaso ar ara pre s en ça es, e u sode uma da rama de sta desta, na t ur e z ana queda das torres, c on tudo primeira rai ima ge maio n cão de ix ad e ser cu rio sa, p o is i lu st ra do si a spect os, a de sin te g raçao, e x press a p dela onda en o r me das poe ira s, c omo da primeira ima ge maior do mar no s on ho pre omo moni it tori, o da queda, q u e a qui r dela t ei, e e in ver sao, q u e en t en doc omo se seme l h ante, di s tinta,

pois de bombas que geralmente fazem bum, descontando os misseis avioes, que por outros factos já provados, demonstram ser ingredientes da ilusao, só recordo umas declaraçoes que dei credito, ao ve las em breves imagens, declaraçoes de um ou dois homens que as relataram de as terem ouvirem, um ou dois buns nos andares de baixo quando se encontravam num piso mais elevado, o que apontava a presença de bombas nas fundaçoes dos edificios, mas por outro lado, a forma da queda parece isto contrariar, em parte, com se ve nas implosoes,

p o is de b o mba s q u e ge rale lem nt e f az em b um, d es cona tn do os miss e is avio es, q u e por outros f ac atos j á por v ad os, demon st ram ser in g red i e n t es da i l u usa sao, s ó record o uma s dec lara raçoes q u e dei c red dito, cao v e la em br eve s ima ge ns de dec lara raçoes de umo u dodi h ome ns q u e as r dela tar am o uv ire rem, um o u do id b un sn os anda ares de ba ix o qua n do se en c on t r ava vam am nu maior p iso mais, fr, ele eva ado s, o q u e ap on t ava a pre sena coretz de b o mbas ñ as fun d aç x co es dos e di fi cos, ma spor outro do rol lado, primeira da forma da queda pa rece is to c on t ra ria rem p arte, com s e ve na si mp l os o es

ou seja , numa implosao, tipo as demoliçoes dos edificios, que todos conhecem de ver em imagem, as cargas nao sao so colocadas na base como em pontos estrategicos da estrutura andar a andar, para ter a certeza que ao cortar a base que leva ao afundamento do edificio, as partes de cima, caem igualmente na mesma posiçao, que se espera vertical, de forma a concentrar os debris , tambem e até, por questao de segurança, como por exemplo não levar ao cair um predio ao lado

o us e ja , nu am i mp l o sao, t ip o as demo mol li ço es dos e fifi cos, q u e todos c on he cem de ver em ima ge maio, ás c argas naso sao s o c olo c ad as na base c omo em pontos est rate gi cos da est ru tura anda rato da primeira andar, para t y e r a ce rte z xa q u e cao co rta ra base, q u e l eva cao a fun dam e nt o do e di fi cio, as p art es de c ima, caim i g ual lem nt e na me sm a posi sic sao es, q u e se es pera ver tic al, de forma primeira c on c en t rato ar os de br is , t am tambem e a té por q u es tao de segur ança espanhola lac c omo por e x e mp lo n cão l eva r cao c air um pre di o cao l ad circulo ado lado

contudo as torres, mesmo se retirar mos do acto os avioes, não caem como todos conhecem de imagens de implosao de edificios, no qual eles se afundam , ou seja , primeiro quebra em baixo, e depois os outros andares como se afundam sobre o chao, da mesma forma que esta provado, assim creio que não foi nem o impacto nem a carga nem os consequentes incendios dos avioes poderiam ou puderam provocar a derrrocada de uma tao forte estrutura

a funda do dam

contudo as torres, mesmo se retirar mos do acto os avioes, não caem como todos conhecem de imagens de implosao de edificios, no qual ele se afunda , ou seja , primeiro quebra em baixo, e depois os outros andares como se afundam sobre o chao da me sam fo pr ma que e sta por v ad o, as si maior c reio q u e n cão fo i ne m o im p acto n ema c arga ne m os co nse q u en t es inc n de io s dos avio es q u e pode ria am pro ovo car a der r roc ad a de uma tao fo rte est ru tura

nest para g rafo se d eve la t am bem q u e est por v ado q u e o fo do inem nemo f do io do acto da ema da carga, ma s de outra c arga e co nse q u en te e x p l o sao aqui tambem se d eve la, avio es,

estes depoimentos da escuta da explosoes, uma ou duas na parte de baixo, sao na realidade estranhos, e parecem apontar uma invençao, ou a percepçao de um outro qualquer fenomeno sonoro, como um eco, ou mesmo de caracter alucinatorio, ou fazendo parte da cobertura feita no inquerito digamos oficial, pois se tivesse havido explosoes na base da estrutura a derrocada se teria dado nesse momento, ou melhor, num processo normal de implosao assim aconteceria, pois sao as cargas que sequencialmente rebentam em primeiro lugar

estes d ep oi men t os da e cu t ad a e x p l os o es, uma o u duas na p arte de ba i xo, sao na rea l id ad e est ran h os, e ap recem a pao n tar uma in v en sao es , o ua per cep sao es de um outro q ual q ue r feno men o son oro, o u me sm mode ca rac ter a l u c i n a toiro, o u fazendo p arte da co be r tura feita no inq u e rito dig gamos do oficial, p o is se t iv esse h av id o e x p l os o es na ba seda est ru tura a der roc ad a se te ria dado ness e mo men t dp u mel hor, nu m por c esso norma l d e i inp p l o sao as si m aoc n tec ria. P o is sao as ac ra gas q u e seq u en cia lem nt e r e b em te m em prime i r o l u g ar

depois temos ainda a intrigante sequencia de onze vidros que se vem a rebentar sequencialmente, já aqui comentada à longo tempo atras, e que recentemente adquiriu em parte uma outra explicaçao pela relaçao dos fenomenos da luz nas superficies não lineares, fenomenos de especulaçao da luz, ou melhor explicando, plausivel assinatura de um fenomeno de luz, no contexto que aqui abordei em dia recente, no ambito das imagens da adsl, e da fibra optica, pois estas exploses visiveis nas janelas, poderiam indicar a presença de cargas nesses onze andares

d ep posi t emo s a inda a int rig gante seq u en cia de o n ze v id rosque se v em a r e b en tar seq u en cia lem nt e, j á a qui co mena td a à l ong o te mp o at r as, e q u e re en te m nt e ad a qui ru em p arte uam de outra, e x p l i caçao p ela , a da relaçao, dos feno men os da l uz nas super vi c ie s n cão line ares, feno men os de es pe cu la sao es d a l uz, o u mel hor e x p l ica n do, pal us iv el as sin a tura de um feno men o de l uz, no c on tex t o q u e a qui ab o r dei em dia rec en te, no am bito das ima ge ns da ad s leda da fibra o pt ica, p o is e sta s e x p l os es v is vi es nas jane l as, pode ria am imi indica car a pr es ença es de c argas ness es on ze anda ares es

tambem é evidente que isto não foi uma implosao , a que se poderia chamar de classica, e quando disto dei conta, a todos disse, qual seria o caminho para proceder a esta investigaçao, recolhendo e relacionado data sobre eventuais obras de remodelaçao, materiais, pessoas e firmas envolvidas, pois na realidade, pode eventualmente a soma da acçao de duas cargas , dependendo da colocaçao e potencia na base, conjugadas com outras em onze andares, abaixo da zona do impacto dos avioes, ter em cumulo provocado a queda, e não me dei conta de nenhum estudo que provasse ou invalidasse esta possivel forma de demoliçao,

tam am tambem , é e v id dente q u e is to n cão fo i u ma i mp l o sao , a q u e se pode ria c ham mar da ar de classica, fac, e qua n do di s to d ei conta, a todos di s se, q ual se ria do circulo do ca minho para por cede ra e sta in v e tiga sao es, reco l h en do e rato dela , do ac cio n ado data s ob re e v en tua is o br as de r emo mode dela ac sao es, mate ria s l, p esso as e fi r ma s en vol v id as, p o is na rea l id ad e, pode e v en r tua lem nt e a s oma mad da acçao de du as das c ar gas , d e pen den do da c olo caçao e pot en cia na base c on ju gada s c om outras em on ze anda ares, aba e xo da zon ad o im p acto dos avio es, tereas em cu mulo por v o cado a queda, e n cão me d e i conta de n en h um est u doque por v asse o u in v al id asse e sta p oss iv le fom nr ra de demo do mol da li sao es,

mesmo assim tendo sido possivel, o facto do relato do som delas, ter sido dado por quem se encontrava em pisos acima do solo, parece enfraquecer esta possibilidade, pois estava vivo quando as deu , se as cargas do chao tivessem arrebentado, provavelmente não poderiam ter descido, a não ser que fossem no subsolo, mas teria sido notado e visto, os efeitos, os efe it os, por mais que ali estiveram no momento inicial da ajuda

me sm o ass si maior t en do s id o p oss iv el, o f acto do r ela ato do s om del as, tereas s id o dado por q ue maaior da se en c on t r ava em p isso s ac i m a d o solo, pa rece en fr aquecer e sta p os sibil bil id ad e, p o is est ava v ivo qua n do as d eu se as car gas do c h cao t iv esse em ar r e b en t ad o, por v ave lm que mente, n ão pode ria maior teresa d es id o, a n cão ser q u e fosse maior do no subsolo, creio ser nome de disco, c reio ser noe maior de dic o , dik circulo, falo, mas te ria s id o not ad o e vi s t o, p o r mais q u e al i est i vera am no mo men t o i ni cia l da ajuda, bairro

mais lapidar sobre estas duvidas que emergem do que oficialemnte se conheceu da chamada investigaçao oficial sobre as quedas, é que muito do que ali foi dito e estudado, é na verdade uma cobertura, como depois investigaçaes independentes o provaram em aspectos capitais, para se poder concluir com grande certeza que houve uma cobertura das autoriedades, e portanto, e tambem pela natureza de alguns dos aspectos que se provaram, nomeadamente em relaçao ao uso dos avioes, que as autoriedades tinham necessariamente de estar em conhecimento do que se ia passar o que faz delas cumplices e em parte operantes da tragedia

mais lap pida ar s ob re e stas d uv id as q u e e mer ge maior doque do oficial , lem nt e se c on he c eu da c ham ad a in v es tiga sao o ficial s ob re as das quedas, é q u e mu it o doque maderia, al if oi dito, é e stud poker ad o, é na v e rda dade, uma co be r tura, c omo d ep o is in v es tiga ça es independente s o por vara ram aram, em a spect os ca pita is , para se pode der c on c lui rc om g rande ce rt e z a q u e h o uve uma co be r tura das au torie ed ad es, e porta nt o, e ta m tambem p dela, na t ur e z ad os q u e se por v o u no me ad dam am, a quem mente, em rato dela laca es sao es ao a usa o dos avio es, q u e as au tori ed ad es tinha ham am nec ess sari am que mente, de es tar em c on he cie m nt o doque se ia p ass aro roque f az delas cu mp l ice es e em p arte o pera nt es da t ra g ed ia


relembrando em suma isto, falemos entao de bombas, e da imagem que as gentes tem de bombas convencionais até a nuclear incluida, pois a primeira imagem que ocorre, é em termos simples, uma carga de natureza explosiva, um detonador que a detona, e uma explosao, ou seja uma fragmentaçao de muitas coisas que ocorre no espaço quando detonada, um sopro

rato lem brando em s uma is to, f al emo s en tao de b o mba seda imagem, q u e as g en t es te maior de b o mba s c on v en cio ni s a té a nuc lea ar rin inc lui id a, p o is a primeira ima ge maio do q u e o cor re, é em termos si mp l es, uma c arga de na t ur e za, e x p l o s iva, um det on ad dor q u e a det on a, e uma e x p l o sao, o u seja uma fr a gm en taçao es de mu it as co isa s q u e o cor reno es paço qua n do det on ad a, u m s o pro

continua...

Friday, August 27, 2010

algumas primeiras consideraçoes em sequencia ao ultimo video aqui antes publicado. e acusaçao diversos terroristas com funçoes de estado


video

al g u s n prime ira s co ns i d e r açoes em seq u en cia cao u l t imo v id eo aqui ant es pub li cado. é a da acusaçao,  di ver s os terroristas com fun ço es de estado
p,9,  93 gb 2 9,1 MB (30.5 97.53 9 b y t es)

a usa 26 21, 92, dia a seguir ao natal, laranjinha, elefantes, em noventa e dois

a usa 26 21, 92, dia a se guy rato cao do natal, nata al,  laranjinha, elefantes, em noventa e dois

prime iras co n s id e r açoes em seq u en cia cao u l t imo v id eo a qui ant es pub li cado

acusaçao a jaime gama na qualidade de presidente da assembleia da republica, por acto de conspiracia, associaçao de malfeitores, cobertura a participaçao activa em diversos roubos de caracter intelectual e patrimonial, crime continuado de atentado ao estado de direito e participaçao activa no roubo e acto de tortura a meu filho

ac usa sao primeira do jaime gama , mana q ual id ad e de pr e s in dete da assembleia , bel ia da ,da republica, por ac t o de c on spi pira ra ac cia, as socia sao es de mal feitor es, cobertura da primeira par tic pa  sao da es da revista activa,  em di ver s os roubos de cara rac teresa rin tele c tua l e pat rim moni ila é crime c on tin u ad o de at en t ad o cao do estado , o dd de direito, fac,  é p art ti cip aç sao es ac t ivo no do roubo e acto de tortura a meu filho,.

identica acusaçao em mesmo termo a jose socrtes e a todos os dirigenetes do ps

u id en tica ac us sao es em me sm o termo primeira de jose soc rte s e a todos os dirigentes do ps,  di rig gene net ts do ps, termo para quem andar distraida, é puta, usada em passes sexuais que depois fazem bum

identica acusaçao em mesmo termo na qualidade de presidente da republica a cavaco silva

aide id en tica da acusaçao,  em mesmo termo na q ual id ad e de pr e sin dete da republica, primeira do cavaco silva,  c av co do silva, ex ad da rtp

identica acusaçao em mesmo termo na qualidade de procurador da republica a pinto monteiro

roi id en tica da acusaçao em me sm o termo na q ual id ad e de por cura dor da republica primeira de pinto monteiro

identica acusaçao em mesmo termo na qualidade de presidente do supremo, a noronha do nascimento

primeira id en tica, a da  acusaçao,  em mesmo termo na q ua l id ad e de pr e s id dente en te d o s up pr remo emo da primeira de a ano nor on  h ad o nascimento

acusaçao de crime de sangue a teixeira santos e a passos coelho e por estensao a ambos os partidos

ac usa sao es de c crime de sangue, primeira do teixeira santos, é a primeira dea de passos coelho, é por est en s o a a, a2, de ambos,  os partidos


Thursday, August 26, 2010

a todos do mundo, a america, al gore, bill clinton, obama, e aos vermes aqui

video

primeira de todos d os mundo, prime ria da america, ob am primeira de clinton, al do g o re, papa, é cao dos vermes daqui

1 41 26 0 8 1 0

vinte e seis , primeiro do sete de noventa e dois

2 9,1 MB (30. 515. 207 b y t es

26. dez, a do teo de noventa e dois

continuaçao da carta ao brasil e a todos

c on tin ua çao es da carat, agencia pub, cao do brasil ile é a primeira de todos


continuaçao

hoje pela tarde voltando a casa, no prédio de esquina azul bebe, recentemente arranjado, com de algumas leituras aqui mencionadas, desde bombe a beton, o nome da construtora que é idêntico a essa puta minha ex vizinha dos olivais que espelha ainda o tal passe da castração, ainda não explicado, a da família do guli, apareceu também nesses dias uma bola vermelha em cima da varanda que por ali ainda continua, depois de falar da bola negra da tage, do bartolomeu cid, e vinha uma senhora com um bebe ao peito, e assim li, em frente a essa casa ao passar, levava o bebe a mao às orelhas do mickey, miche y, o rato do esteves cardoso, e olhando me disse, o kardoc, do rato mic key,, ou seja se me afigurou no espírito que mais essa ameaça que relatei em dia recente desse cabrão pedófilo e cobarde, a dizer que ainda tinha meu filho e um outro pequenino, é do tal grupo do espirita desse filho da putas que aqui mato de vez !!!!!!!!

homem oje p dela , a da trade, vol t ando primeira c asa, no do predio de es q u ina az u l bebe, rec en te maior nt e ar ran j ad o, com de al gum as lei turas a qui men cio n ad as, de sd e bombe primeria do bet on, o ñ o meda da c on s t ru tora , q u e é id en tico primeira dessa puta, min h a e x vizinha dos oliva sic, costureirinha, ak, q u e es p el h a a inda o t al p as seda ca s t raçao, a inda n cão, é x p l i cado, a da f am il ia do g u li, ap rece u tae mb em ness e dias, psd, uma bola verme l ha em c ima da vara n da que por al ia inda c on tin ua, de e p o is de f al da ar da bola negra da tage, do bar t olo me vaso do cid, é vinha de uma s en hora com de um bebe cao peito, e as si ml i, e m fr en te primeira dessa cobra da casa, cao p ass ar, l eva ava circulo do bebe primeira mao às orelhas do mi c he y, circulo lobo do rato do est e v es cardoso, e ol h ano me di s seo k ar doc, do rato mic he kapa delta , o u seja se da me a figu o ru no sp ei it o q u e mais , essa am e aça es q u e rato dela t ei em dia rec en te desse cobra cabrao pedo filo e co br ad e, a di ze rato ps q u e a inda tina h me u j fil h oe, o umo u rt o pequenino, é do t al g rupo do es pi rito da rita , dessa, do filho da putas q u e a qui mato d e v e z !!!!!!!!

curioso porque me recordara em véspera, de um livrinho do kardoc, que uma vez a cristina pinto, trouxe de uma livraria no cc da portela, onde entrara numa vez que comigo fora a loja dos aviões pequeninos, e que leu muito avidamente, o que me parece agora reforçar a ideia dessa relaçao entre os que aqui se desvelaram nos últimos diagramas, onde ela foi convocada, nomeadamente o tal paulo costa, que depois pelo espírito ouvi estar ligado ao grupo, um , dois, três, ou seja dos abusadores das crianças e das relações anteriores dela com o grupo dos bandidos do sete, e sendo que aqui na pampulha, existe um grupo de espíritas, ou algo assim

c uri s os o por q u e me reco r da ra em v es pera, de um li v rinho do k ar doc, q u e uma v e zorro pro x da primeira cristina pinto, t ro ux e de uma li v rai r ano cc da pot tela dela, onda en t rata ara nu ma v e zorro q u e co mig o for a a l loja dos avio es peqeuninos, e q u dele le e vaso mu it o av id dam am que mente, o q u e me pa rece do agora ref orça es ra da ideia dessa l aça o en t re os q u e a qui se d es vela lara ram nós u l t imo s dig ar am as, onda dea dela, fo i c on v o c ad a, noe ema mad dam e rn teo tal paulo costa, q u e d ep o is ep lo es p ei it dp uv i est ra liga ad cao g rupo, um , dois, tres, o vaso do seja dos ab sd usa dor es das c ria n ç as e das r dela ço es ante rio ratos es dela com o g rupo dos bandidos do sete, e s en doque aqui na p am pulha, es x ite um g rupo de es pi rita s, o ual go as si maior

voltando a um ponto que ficara aberto como disse em parte anterior relativo à possibilidade de ter sido uma bomba nuclear ou algo semelhante, que despoletara o tremor de terra no mar que depois criou a onda gigante da grande matança em dois mil e cinco

vol t ando, a um pinto, q u e fi cara a berto c omo di s se em pa rte ante iro rato duplo dela t ivo primeira p os sibil bil id ad e de teresa s id o uma b o mba buc lea da ar o ual gose seme l h ante, q u e de sp ole t ra circulo do t remo mor do tremor de terra, ano marque d ep o is c rio ua primeira da onda gina gim, gan gt e da g ar n de mat ança em dio is mi l e c inc o

pensemos então a lógica deste dizer, como causa, primeiro o tsunami foi como normalmente o é, consequência do tremor de terra na placa submarina, ou seja a ser uma bomba, deveria ter sido despoletada no fundo do mar

pen s emo s en tao primeira al alo gui ca de este di ze r,c omo c a usa, primerio, circulo do ts un mai fo i c omo norma l mente o é, c on sw e q u en cia do t remo mor do tremor de terra na p laca sub marina, o vaso do seja primeria, ser uma bo mba, d eve ria teresa s id o d es p ole t ad ano fun dodo do mar, quadrado omar mar ar rato ps

curiosamente, isto aviva um fio de luz que aqui estranhamente se desvelou, num texto não muito antigo, no tempo do campeonato da africa do sul, e do cio que a rtp, fizeram sobre eventuais possibilidades de atentados, quando em video falo disso, de ter encontrado num pais arabe uma instalaçoes que me mais parecia um edificio de antenas magneticas do que comunicaçoes como umas outras instalaçoes no alaska, americanas, e ter dito, mil quilometros de profundidade a partir do irao, pois essas instalaçoes arabes as encontrara quando apliquei os mil kilometros como raio de circunferencia a partir de teerao

c uri isso am , a que mente, is to av iva um fi o de l uz q u e aqui est ran ham , que mente , en te se d es velo lou, nu maior tex t o n cão mu it o antigo, no te m podo cam peon ato da africa do sul, e do cio q u e a da rtp, fi ze ram s ob re eve en t au si p oss sibil bil id ad e s de atentados, qua n do em v id eo falo di ss sode t re en c on t r ad o nu maior do pais, ar abe, uma ins t ala ço es q u e me pa rec e ima um e di fi cio de ant en as mais, fr, ma gn te icas doque com muni caçoes es c omo mode de uma da outra , i n s t ala ço es no ala serpente ka, é teresa dito, mi l qui l om t r os de p o rf un dida a p art tir do irao, p o is es s as a in t al ç o es arabes as en c on t r ara qua n do ap lic ue i os mi l ki lome metros c omo rai o de c irc un feren cia a ap do pri rato de tee ray o cao

parece isto dizer em suma neste ponto ,que pelo menos dois paises ou blocos se não mais terao desde alguns anos um outro tipo de arma, para alem da nuclear e que puderá ter sido ali usada bem como para provocar diversas desgraças semelhanets natureza no mundo como se tem observado

pa rece is to di ze rem s uma nest e ponto ,q u e p do elo men os do is pa is es o u b locos se n cão mais terao, fr, teerao, de sd e al gun s ano serpente, um outro t ip pode arma, para al lem da nuc lea ar ,e, q u e p u der a e t rato ps s id o al i usa sada b em c omo para por v o car di ver sade g ratas aças es seme l h ane net ts nat ur e za no mundo c omo se te maior ob serva ad o

quando falo de magnetismo aqui, falo de magnetismo ao nivel da estrutura da materia, do atomo, e da luz, como aqui mais uma vez expliquei sumariamente, nos videos recentes publicados no ourosobre azul, ou seja por outras palavras, o antigo programa chamado e conhecido, pois anunciado noemadamente pela america, da guerra das estrelas, que foi fundada historicamente se bem recordar mos , a time line, como o passo seguinte do nuclear, na optica do confronto entre as duas superpotencias na realidade ainda existente na altura da chamada cortina de ferro, ou do chamado mundo bipolar

qua bn do do falo de magnetismo, a qui falo de ema mag net is mo cao nivel , da est ru t ira da mate ria, do ato omo, moe da luz, ak algrave, c omo a qui massi uma v e z e x p lic u ei s uma mata ria am, a que mente, nós v id e os rec en t es pub l ciados no o u roso br e az do sul, o u seja por outras pal av r as, o antigo por g rama c hamado e c on he c id o, p o is anu un cia ado noe ema mad ad dam , a que mente pela am erica, da g ue rr ad as estrelas, q u e no fun o d h s it tori ric mente se b em recorda r mosa do time l ine, ap a rece c omo circulo da p ass do dia seguinte, seguinte, a do nuc lea ar rato ps , na o pt ica cado c on fr rt ion to en t re as das duas super pot en cia s na rea l id ad e a inda, é xis t ente, laurinda, ana l tura da c ham madeira, ad a cortina de ferro, De ferro, do ps da deo u do c h a am md do circulo do mundo b ip ol ar, bip ,bip bip, lei ka, satélite, segundo bi ip polar, pol ar , o do lar, a cadela do lar

basicamente se bem se lembram, seriam armas instaladas em satelites no ceu, equipadas com lasers ou algo assim e o que temos no hoje, sao os satelites, que servem na aparencia e na maior parte para comunicaçoes e monitorizaçoes diversas, sendo que os satelites servem diversos operadores e portanto diversos grupos não só de comunicaçoes, como dos grupos economicos que por detras deles estao

ba sic cam am, a primeira que mente, se b em se lem,br aram, se ria am armas in s t aladas em sat tel it es no c eu, e qui ip padas com la se rato ser + pente s o ual goa ss si meo q u e t emo s no h oje, sao os sate teli l it es, q u e servem na ap re c na ie iena mi o rato r p da puta da arte para co muni caçoes es, e moni tor iza ço es div e ratas sas s en doc eu os sate tel l it es s ev rem di ver sa o pera dor rea se porta nt o div e r sao s g rup os n cão sode dec co muni caçoes, c omo dos g rupo s we cono mic do ics q u e por det rato ps ás deles do est cao

ou seja realidade tal como se apresenta diz-nos neste ponto duas coisas, a chamada guerra das estrelas, é hoje não só passivel de ser operadas por governos como por grupos economicos e como tecnologia global, ela é acessivel a muitos de distintos paises e regioes do mundo, ou seja, deixaram de se tornar tao claros como no passado, a interpretaçao linear dos interesses por detras dos motivos destas novas operaçoes de guerra, aparentemente sem exercitos, mas que destroem na mesma, e não necessariamente simetricos a interesses de soberania no que antes se chamava de defesa nacional de um ou de outro pais

o vaso do seja rea lida ed t al c omo se par es sena t di zorro traço ingles ns o nest e ponto du as co isas , a c ham a d a g ue rr a , ad as estrelas, é h oje n cão s ó p ass iv el de ser o pera da spor, roma, g ov e rn os c omo por g rup os economicos, e c omo tec n olo gi a da global, ela é ac ess iv dela, mu it os de di s tintos pa ise se regi, tvi, o es do mundo, o vaso do seja, de ixaram de se torn da ar do tao c l aro rosco omo no p as sado, a inter pr eta taçao es line ar dos inter esses por det rato as dos m ot ivo s de sta nova as o pera raçoes es de guerra, a per rn te mne maior net se maior dos exercitos, masque det ro e mna da mesma n cão ne c ess saria am, a que mente, sime t rc os a inter esses de s ober ani ano q u e ant es se c ham ava de d efe fesa na cio n al de um ou de outro rop do pais, tvi

e este quadro é bastante mais plausivel do que pensar-mos numa operaçao feita por uma bomba nuclear, contudo antes de descartar-mos esta possibilidade, analizemo-la

é este quadro, é bas t ante mais, fr, p l au s iv el doque pen s ar do traço ingles mos nu ma o pera raçao feita por uma b o mba nuc lea rato ps, c on tudo ant es de d es car t ar do traço ingles mo s desta, p os sibil di dide iade, ana l ize emo do traço ingles dela, la

poderia ter sido um teste nuclear , feito às escondidas, por uma das naçoes emergentes dessa regiao, ou mesmo de outra

poderia ser uma bomba expressamente arrebentada como retaliaçao, por exemplo considerando a america que fora dali que viera a destruiçao das torres em nova yorque, consideradas ataque ao país

poderia no contexto da guerra entretanto lançada contra o iraque, e por uma reaçao dos parceiros arabes, uma especie de aviso para manterem um certa neutralidade, sendo que estas tres hipoteses agora enunciadas, poderao tambem ter existido, com um outro tipo de tecnologia

pode ria teresa s id o um t este nuc lea da ar , dei t o as es conde didas, por uma das naço es e mer gente s d essa regi cao, o um es mode deo de outra, pode ria ser uma b o mba e x persa sam am , a quem mente, ar r e b en t ad a c omo r eta lia sao es, por e x e mp lo c on s id der ando a am mer e cia q u e for a dali,es, q u e viera primeira da d es t rui sao es das tor r es em nova y o r q u e, c on s id e r ad as ata q u e cao do país, tvi, pode ria no c on tex t, o da g da guerra en t r eta nt o lan lada c on t y r cao iraque, é por uma rea sao es dos par ce iro s ar ab es, uma ep e cide de av iso para man te rem um ce rta ne u t r al id ad e, s en doque destas tres hipo te s es do agora en u bn ciadas, pode rato cao tam am tambem teresa e xis t id o, com um outro t ip o pode tec no lo g ia

se fosse uma bomba nuclear, para ser menos traçavel a origem de quem a deitara, a operaçao teria que ter sido feita por submarino, ou um aviao de carreira , aparentemente normal, mas que na realidade trasnportava a bomba, um pouco, á imagem do voo 93 e provavelmente de outros, que se usaram como disfarce da desintegraçao das torres, pois este se sabe que foi falso, como a investigaçao o provou, e ao o provar nos diz tambem que as autoriedades militares americanas e o governo estavam na operaçao envolvidos

seda sef da fosse, uma b o mba nuc lea ar rato ps, para ser men os t rac ave kapa primeira oi rato ge maior de que ema de it tara, a o pera raçao es te ria q u e teresa s id o feita por s ub marino, o u um avia o de car rei da ira , porche, ap ar ren te maior nt e norma al masque na rea l id ad e t ra sn porta ava a b o mba, c omo um po u co á ima ge am maior do v da dp em 93 , é por v av kapa lem nt de outros, q u e se usa ram co mic kapa di s fr ace seda de site g raçao das tor r es, p o is este se abe q u e fo if al soc omo da primeira da investigaçao, o pro ovo portugues vaso, é cao do circulo do por vaso da ar dos nós da di do zorro do tam am tambem, quadrado vaso é às das au tori ed ad es militares, primeira do mne rc do ia da ase do seo dogi do ov, é rato do ano do no da est ava vam mna do circulo da pera da raçao es en, vol vaso id os

por qualquer dos processos usados neste caso, uma bomba, teria sido despoletada ao retardador, um retardador muito grande, de forma a que ninguem se lembrasse de verificar a presença deste tipo de trasnportes, para alem do que seria os dias seguidos ou antecedentes ao facto

por q ual ue rato dos por e c essos usa sados neste caso, uma b o mba, te ria s id o d es pole t ad a x cao r eta r ad a dor, um r etar dado da dor , mu it o g rande, de forma da primeira q ue maior nin g ue maior da se l em br asse de ve ri if ar primeira ara da pr es ença es d este t ip o pode ra sn portes, para al lem doque se da ria os do dias, psd, se gf fu id os o u ante tec e dentes sao f ac do acto

contudo, uma bomba desta natureza, trás um assinatura que fica no tempo por geraçoes, e não se ouviu nunca falar dela, ou seja a radiaçao, e portanto cai por terra esta possibilidade, pois a cobertura ou tentativa de cobertura deste efeito, seria extremamente dificil de se fazer e ser mantida perente os olhos do mundo, a não ser que estivessemos perante ainda uma nova arma , parecida com a nuclear, a bomba de fissao, que tambem se fala há muitas decadas

c on tudo, uma b o mba de sta nat ru reza, t r as um as sin a tura q u e fi ica cano ano do te mp o por ge raçoes es, e n cão se o uv iu n unc a f al ar dela, o u seja a ra dia sao es, e porta nt o ca ip por da terra, br, e sta p os sibil id ad e, p o isa primeira da cobertura, o u t en t at iva de c ob e r tura de este efe it o, se ria, é x t rema am que mente, di f i ci l de se f az e rato e ser man t id a pe ren te os o l h os do mundo, a n cão ser q u est iv esse w emos pera ran te a inda u y ma nova arma , par e cida com a nuc lea ra, a b o mba de f iss sao, q u e ta m bem se do fala h á mu it as dec ad asa

ora voltamso de novo, a primeira possibilidade por eclusao da segunda, e com um outra possibilidade que se abriu no final do paragrafo acima, o de ainda estramos perante uma arma tipo bomba, convencional , como a nuclear, mas de outra natureza, contudo, as assinaturas de muitas outras desgraças e matanças a começar por ny, apontam efectivamente estar-mos perante uma outra tecnologia, que já vos expliquei em detalhe, basicamente, pulverizacao da materia, como os laser já o faziam no ambito de desenvolvimentos militares no passado, e sendo que agora se faz por onda sonora, usando as redes de comunicaçao satelite,

o ra vol tam sode en ovo, a primeira p os sibil id ad e por e clu sao da segunda, e com um outra p os sibil id ad deque se ab rio vaso no fina al do pa rag rafo ac ima, o de a inda est ramos pera nt ema ãrma t ipo b o mba, c on ven cio n al , c omo a nuc lea ar ma s de outra nat ur e za, c on tudo, as as sin a turas de mu it as outras d es g ratas aças e mat anças es , a co meça rata rp por de ny, ap on tam efe c t iva em nt e es star do traço ingles maior do os pera nt e uma outra tec no ligia, q u e j + a v os e x p lic u ei em de eta alhe, ba sic am net, pul v eri iza º cao da mate ria, c omo os l a sw e rato j á o f az iam no am bit o de de s en vol vie m nt os militares no p as sado, e s en do que do agora da se f az por da onda sonora, usa n do as das redes de com un sic es ºcao do sat da elite,

cá estamo de novo no conceito da estrela de guera, sendo que não é so uma estrela, mas diversas estrelas, ou seja se usam mais de que satelite em conjugaçao

c á est amo de n ovo no c on ce it o da estrela de guera, s en doque n cão é s o uma estrela, mas di ver sas estrelas, o u seja se usa sam massi side dide, q u e sat elite em c on ju g aç sao es

continua

Wednesday, August 25, 2010

continuaçao , carta ao brasil e a todos

antes de vos começar a matar, concluio para memoria da luz, os apontamentos sobre este vosso tiro que vos saiu pela culatra mais uma vez como o espírito mo confirmou, que bestas sois, estou farto de vos dizer que quanto mais assim continuareis, mais ireis sofrer antes de vossa morte

ant es devo vaso os co meça es ra mat rato ps concluio pr a me mor ia da luz, os ap on tae m nt os s ob re de este, vaso do osso do tiro q u e v os sa eu p dela, a cu la t ra, mais, fr, uma v e z orro c omo p o es pe it io mo c on fi rato ps mo uvaso do q1ue das bestas, o sis, es t o u fat rato rell time t o de vo s di ze rato ps q ue qa un t mais , fr, as si maior c on tin ua reis sm mais, ire is s o fr e ran t es devo v os s a m o rte

depois de narrar a primeira vez os acontecimentos de dia cinco de agosto, logo ali puseram estacionado e assim o deixaram, no lugar do bueiro, um carro, com um anuncio da super bock que dizia trabalhamos sobre pressa, ana caetano, a da sic tipo amy e silvia, e porto, foi assim que me lembrei do passe desse ladrão abilio e da silvia que depois relatei em vídeo e em forma escrita

d ep o is dena da rr ar da primeria, v e zorro do os ac on tec ie m nt oss de dia cic no dea gato oto, logo , al i p use ram est ac cio n ado e as s imo d ei x ram, no lu g ar do b ue iro, um car roco om, um do anu un cio do super da bock, da comida, q u e di zorro do ia t r aba bal ham os s ob re press primeira da ana caetano, a da sic t ipo am delta, e, si l v ia, é porto, fo i as si maior q u e me lem brei do p ass e de esse l ad rato ps cao do abilio e da silvia, q u e d ep o is rato dela t ei em v id eo e em forma es circulo da rita,

de facto, sois muitos espertinhos a tentar safar o cu dos culpados de matanças de milhares, bela analogia um bueiro que mija lamas para o ceu e cerveja a pressão ruivinha super bock, com matricula, a dizer ana caetano do porto, ou a ana do caetana do porto, ministro de salazar, ou algo congénere

de f acto, s o is mu it os es per tinhos a t en tar sa f aro roc do cu dos cu l pados de mat anças es de mil h ares, b dela , ano l log g ia, um b u ie ero q u e mija lamas do para do circulo doc, e, ue cere veja , br, a press o a rui vinha da super da segundo do circulo ck, com mat ricula, it, a di ze rata rana ana da caetano do porto, o ua da primeira ana do cae tn ad o porto, mini s y rode sala z ar, o ual g o c on genere

e ainda depois apareceu ali também estacionado o tal cento e seis, que aparecera em véspera aqui pela madrugada com as tais primeiras mudanças que dei conta, matricula au, cao, de oitenta e sete qualquer coisa, e depois pelo espírito entendi ser relacionado com essa puta maior , a cristina coutinho, do grupo dessa puta

é a inda de posi ap a rece u ali t am tambem est ac x cio n ado o t a l c en to e se isque ap a r e cera em v es pera aqui p dela, mad ad ru gada com as tais, br, primeiras mud anças q u e dei conta, mat rio vaso c la au, cao, de oitenta e sete q ual q ue r co isa, e d ep o is p elo es pei rito en t en dei ser rato dela , a do ac cio n ado com essa cobra da puta maior , primeira da cristina co tui tinho n do home do circulo do dog do rupo dessa cobra puta

ontem pela noite tomando café, uma rapariga sentada no balcão da cervejaria acrescentava uma outra linha, ou disfarce, os açucares, eram dia dos namorados são martinho, dessa puta do psd, o pacheco pereira, dizia, ela ao senhor que lhe propunha limpar os vidros, ângulo de incidência igual ao ângulo de reflexão, das carnes, cinco paus hora, que também o marido a tentara comparar com uma audi dois, e que se não tinha aceitado, não aceitava o que o homem lhe estava a propor, que engraçada linha, sem duvida

on te maio da p dela , lan ano da noite, tom ando ca da fé, uma ra pa riga s en t ada ano bal cao da cer veja ria ac r es cen t ava uma outra da linha, o u di s fr ace, os acu cu care es, e ram dia dos namorados s cao do martinho, de essa cobra puta do psd, circulo do pacheco pereira, di zorro do ia, dela , cao s en horque le por p unha li mp ar os v id rato os do angulo de inc sin den cia i g ual cao angulo de r efe fel e xo da primeira , a das carnes, c inc o pa us hor a, q u e ta tam am tambem do circulo do mar id o a t en tara com para ar com uma vaso di da dois, e q u e se n cão da tinha c ei t ad o, n cão ac e it ava o q w ue o homem l he estav a por pr o rato ps, q u e en g raçada es da linha, se maior d uv id da primeira

Saturday, August 21, 2010

sobre as lamas, primeira parte


 sobre s lamas, prime ria p arte

Ainda sobre as lamas, que são belos animais da america latina, que também como a letucha, deitam agua na face do barbudo do capitão haddoc, às paginas tantas na aventura com os , cm nós, inc a s e maya s

A inda s ob rea às do lm , luis marques, o luis do marques de pombal, p om mb al al, pub, primeira sm, q u e sd da sao b elos dos animais da am ei ca la tina, q u e t ema mabe mc omo a let vaso do cha, de itam agua na face, revista, do bar rb u dó, do ca pita cao homem ad dd doc, doc comparato, ou algo assim, com par do rato do acto às pa ginas t anta, fcp, s na av en tura noa inca se da maya serpente, uma puta daqui das discotecas, onde o fogo voa e das revistinhas de social, soci , balsemao, al, bal da se da am cao

me lembrei de muitas nesta escrita ao brasil e a todos, as primeiras, sao as muitas que aconteceram no brasil, com muitas mortes, e uma em particular aflorou na minha consciência, aqui comentada na altura de seu acontecer, uma unha que se transformou numa queda de um tecto de uma igreja, que tras o valor id de grupo, ou de relaçao de grupo, pois unhas zen, entraram também nesta carta

me lem br rei ei, demo mu it as nest a es c rita cao bras ile lea primeira de todos, as primeiras, sao ás mu it as q ue ac on teceram no bar si l, com mu it as mortes, é uma em p art ti c ual r a flor reo un da primeira min hi do io do home da primeira co n sic en cia aqui, co men t ada dana al tura de s eu ac on tec ser, uma da unha q u e se t ra ns for mo vaso un nu ma da queda de um tec t, o de uma igreja, q u e t rato as do circulo do jornal valor, id de g rup dp vaso de relaçao de grupo, p o is unha serpentes zen maior, en t rata aram tam am tambem nest primeira da carta

boas razoes terá lula da silva, o que parece declinar também em animal aquático, que deita tinta, que sao silvas, ou seja dos espinhos, e provavelmente da tal cruxificaçao, que aqui neste capitulo aparece como enforcamento na véspera do casamento, o que me recorda um qualquer passe que nunca entendi, à volta do blog das almas inquietas, para chorar, pois mesmo sendo ou não sendo presidente, o, endémico, endico, problema dos morros tobogans passaram no quadro das alterações climáticas, a matanças de foice larga, e mesmo tendo essa terra de Deus, um arquitecto que pode reclamar com direito, ter feito uma cidade der raiz, parece que não conseguiram por ainda em pratica o que vos dei como sugestão para resolver o problemas das favelas, por isso sempre me pergunto sobre as tais cartilhas que a esquerda tanto gosta de apregoar, com belas palavras redondinhas como liberdade, igualdade e fraternidade, onde creio que não existe a pobreza nem o pulmão do mundo, é cortado todos os dias

boas, cobras grandes, r azo es teresa ra do lula da silva, o q u e par ee dec lina rato t am tambem em anu ima al aquatico, q u e de it a t int a, q u e sao do silvas, o vaso do seja dos espinhos, e é pro ova ave lem nt e da t al c ru xi fi caçao, q u e a qui nest e c apit pito u l ço ap a rece c omo en for cam en to n a v es pera do casamento, o q u e me record a um , q ual q eu i rato rp p asse q u en un ca en t en di, à vaso primeira da cruz primeira do blog das almas inquietas, para cho rato da ps da ar, p o is me sm o s en do o un cão s en do pr e sin det e, o en dico por rb l ema dos morros tobo gan s p ass aram no q 2 ua d rato cao das al te raoes c lima tica sa das matanças de fo ice l arga, é me sm o t end o essa da terra, br portal, de De us, um arquitecto q u e pode rec lama mar com de fac direito, teresa feito, uma cida e der rai zorro, pa rece q u e n cão co nse guy iram por a inda em p rata ata cia do circulo d q u e v os d ei c omo s u g es tao para r es solver o por rb l ema s das f ave l as, por iss o se mp rem, é per gun to s ob re as tais , c art til das ilhas q u e primeira da esquerda, t ant o go sta de ap rego da ar, com das belas pal av ratas as red d fon dinhas c omo liberdade, i g ual da ed é fr a te r ni da ed, onda c reio q u e n cão e xis te, laurinda, a p ob br reza c omo do parente, nbp,. ne m o pul mao do mundo, é cora rat td o, todos os da puta dias, psd

dias do psd, para voces ai, nesse lado do rio, se andarem esquecidos, é uma das putas de mao da puta mor e assassino do psd, o cavaco silva, corrupto e pedofilo mor desta terra sem lei, que vejam lá, até já foi conselheiro de estado, dos assassinos e fora da lei, como provado à exaustao, homem que no entretanto, va se lá saber porque ficou ao que parece cheio de bago, aqui quer dizer dinheiro, numas estranhas comissoes de roubos de conceitos informaticos à minha pessoa entre outros

dias do psd, para v o c es ai, ness e lado do rio, se anda rem es q ue ico co do ds, é uma das putas de mao da puta mor e assassino do psd, o c av co do silva, cor ru pt to, é pedofilo mor de sta do fa da terra, br, se maior ml l ei, q u e veja jam am, lá a té j á fo i c on sele hiro de estado, dos ass a s sino se dos fora da lei, c omo por vaso do ado à e x au s tao, home q u e no en t r eta nt o, ova vaso da ase l á , saber, por que fi co cao, o q u e pae rc e che io de bago a qui aqui, q ue rato ps di ze r dine hiro, nu ma s et r sn h a co miss o es , o de roubos de conceitos informaticos, à min h a pessoa en t rede de outros

ou s e j a se d es vela nest e corte, a relaçao pt, portal e g rupo terra,

bem como uma outra que aponta o mesmo grupo, o do psd, que se desvelou na carta, o edson athaide, que creio ter vindo para portugal para a eleiçao do cavaco, mesmo que o pretexto fosse a publicade ou a agencia da qual ele depois ficou à frente durante anos, o edson do grupo dos meninos bandidos como o mec, e do independente de alguma forma, e sendo que um pormenor se desvelou tambem na escrita manuscrita do nome dele, relacionado com o ed sin, e athaide, que é tambem nome de um maestro,

be m c omo uam de outra q u e ap on ato do mesmo, fg do grup o, o do psd, q u e se de eve lou na car ara, o ed son at g h aide, q u e c rei o t y e r v indo para portu gal, para a dele ei sao do cavaco, me sm o q u e o pre tex t o fosse da primeira pub li cade o ua da primeira da agencia da q ual dele, del, d ep o is fi co u à fr en te duran te ano s, o ed os sn do g rupo d õ s meninos bandidos c omo o mec, é do independente dea al gum a forma, e s en doque um por men o rato da se d es v e lu tam am tambem na es rita manu sc rita do nome dele, rato dela , do ac cio n ad o com o ed sin,é athaide, que é atm, be maior noe maior de um maestro, atm, que desvela, outra relaçao ainda, a historia do roubo do conceito do multibanco, que como se desvelara em texto anterior passou pelo brasil

quadrado ue d es vela, outra da relaçao a inda, primeira historia do ro u bod dp roubo do c on ce it o do mul ti do banco, q u e c omo se d es vela lara em tex t o ante rato tp d ior p ass o u p elo bras si l

a segunda memoria das lamas que em emergiu na consciencia, nesta escrita, fora uma que creio ter acontecido, assim de memoria, num outro lado do mundo, que foi aqui comentada na altura do acontecer, e que portanto ad uire aqui tambem um caracater simbolico, uma enxurrada que se transformara numa cascata, onde se via uma enorme bola negra que se formara, e que depois vinha nesse leito,

a segunda me mor ia das lamas q u e em e mer gi un a co ns ci e n cia, nest a es c rita, for a uma, q u e c rei o teresa ac on tec id o, as si maior de me mor ia, num o ur tol primeiro lado do mundo, q u e fo i a qui co mena td ana al tura do acontecer, e q u e porta nt o ad u ire a qui aqui tam am tambem, um ca rac cat teresa si mb o lic ico, uma en xu rr ad a q u e se t ra sn for a m r , nu ma c as cat a, onda da se da via de uma en o r me da bola negra q u e se fr oma mara, e q u e de ep o is da vinha ness da al leito, le lei it circulo

esta imagem teve depois de seguida uma leitura num eco de atraves de uma balança de farmacia, ou seja de alguma forma palmeiras, sendo a ultima imagem aqui evocara com palmeiras, a da foto que outrora fiz para o jamaica, do lp e do braço da agulha e da espuma de barbear com ondas e o mar celofane azul amachucado

e sta da imagem da teve, d ep o is de se guida uma lei it tura nu mao e aco de at r av es de uma bal ança es de fr am ac cia, o u seja de al guam forma palmeiras, s en do da primeira u l t ima ima ge maior a qui aqui, e v circulo do caa, carlos cruz, com das palmeiras, a da ja m aica, do l p e do br aço da agulha, é da es puma de bar ab bear, bar br bear, urso, o poeta aqui, o do ps, com das ondas, é circulo do o mar celo f an e azul, am ac chu cado, br, sendo que isto evoca me ainda outra desgraça a da queda de uma bancada num estadio, não sei assim de memoria, se o palmeiras

s en do que is to e v o ca me a inda outra d es sg rata aça es, a sada da queda de uma ban c ad ano um est ad io, n cão s ei as si maior de me mor ia, seo circulo do pal me das ei iras

ora , esta imagem aqui, a luz destes acontecimentos narrados no dia cinco de agosto, adquire o sentido literal de merda e de cus e dos fios que a cançao da letucha de alguma forma narrou, com todos os outros fios que aqui a volta deste assunto se desvelam, e da tampa que saltara,

o ra , e sta ima ge maqui aqui, a l uz de estes ac on tec ie m nt os na rr ad os no dia c in c o de agosto, ad q u ire reo s en t id o lite rata da al de merda, é de c us e dos fi os q u e a can sao es da let u cha de al gum a forma na rr o u, com tuy, o dos os outros fi iso soc q u e a qui aqui , primeria vol t a de este as sun to ze, universal, d eve lam am, meda tam pa c q ue sala tara da tar primeira

por outro lado ainda, a imagem da bola gigante que se formou nessas lamas, e cujas imagebns, se via a rolar sobre um leito de lamas e paus que entretanto se formara, remete ainda para fillipes, es, para tilts, e de alguma forma para um intrumento , que se chama pau e bola, usado na navegaçao aerea, que serve para perceber a inclinaçao da asas ou seja do percentil, da alavanca, e para percebr se numa curva, o aviao sofre deslizamentos horiontais ao faze-la, ou seja aponta isto tamebm, esta declinaçao para avioes e eventuais acidentes aereos, flippers, declina ainda em flipar, que é palavra portuguesa para dizer, de alguem que se passoui, ou seja, ficou louco, ou enloqueceu, ainda que porvisoriamente, e me apreceu na meditaçao, um outro nome feminino, filipa, ou seja o par da irmao da filipa, a a iram da maria sobral mendonça

por outro rol lado a inda, a ima ge madeira, a da bola gi gante q u e se for mo u n dessas cobras das lamas, é cu j as ima ge bn s, se da via da primeira ar rolar, rol da ar, s ob re um do l e it o de lamas e pa usque en t r eta nt o se for mar a, reme te a inda para fi ll ip es, para ti l ts, e de al guam forma para um in t rum en toque da se c ham a p au e bola, usa sado dona navega sao aerea,barcelona, q u e serve para per cebe ra inc lina sao es da asas o u seja do per c en til, da ala ava anca, e para per ce br se nu ma c ur vao, ps avia o s o f r e d es liza men t os ho rio n tais cao f az e do traço do primeiro da lam, o vaso do seja ap ont a ist o tam eb maior desta, dec lina sao es para avio es e eve n tua is ac id dentes aereos, fl i pp e r s, dec lina a inda em fl ipar, q u e é pal av ra por r tug ue sa para di ze rato ps, de al gue maior q u e se p a sso ue, o u seja, fi co u lou c op dp u en lo q u e c eu, a inda q u e por v isso ria am, a q1ue mente, e me a pr receu na me di taçao, es, um outro nome fe mini nino imo, filipa, o vaso do seja do circulo do par da irmao da filipa, primeira dupla iram da maria sobral men dion c a

e ainda como declinaçao eventualmente mais afastada, para flipao, ou seja treinador de futebol, e por consequencia de acordo com os eventos para o passe da cegueira do hospital santa maria, e que recentemente remete para o acto em minha infancia, quando me deram com a seta, ou seja parece se desvelar aqui uma relaçao do grupo da maria, ippar, me remete para uma rapariga que com a filipa encontrei há não muito tempo na paparoka, ao lado do mne, e esse passe do tempo de infancia

é a inda c omo dec lina sao es even en tua al lem nt e mais,fr a fa st ad a, para flipao, o vaso do sj t reina ad dor de fute b ole por co nse q u en cia de acor d fo com os eventos para ad do circulo do p ass e seda cd da cegeuira do ho spi t ak l s anta da maria, e q u e rec en te maior nt e reme te para ds circulo do acto em min h a in fan cia, qua n do me de ram com da primeira seta, o vaso do seja pa rece se d es vela ar aqui, uma do tribunal da relaçao, o dog rup o da maria, ippar, me reme te para uma ra pa riga q u e com da primeira filipa, en c on t rei h á n cão mu it o te mp o na pap ar roka circulo 101 kapa ka, ao l ad o do mne, é esse do passe do tempo de infancia


na manha de dia cinco, uma carrinha ali estacionada me apontara ondas atlas, e no seguimento do que se vinha desvelando na escrita tambem esta leitura fizera sentido, mas o que mais parece aqui se desvelar como acima explicado sao outras lamas, e nem tanto as lamas que correspondem ao segundo tsunami no sudoeste asiatico, que como já disse, creio ter sido uma contra reaçao ao primeiro, a luz do que expliquei, ou seja o movimento da terra em seu eixo foi corrigido depois da alteraçao resultante da magnitude elevadissima do primeiro, o da grande matança

na manha, sentido de treta, de dia c on co, uma car rina homem ali, est ac cio n ad a dame ap on tara onda às atlas, é no se gui men to do q ue se da vinha d es vela lan ando na es c rita t am tambem e sta da lei tura fi ze ra s en t id, o maso q u e mais, fr, pa rece a qui se d es vela ar c omo ac ima e x p li cado sao de outras lamas, e ne maior t anto ás lamas, q ue cor r es ponde mao do segundo ts un am ino sudoeste asiatico, q u e c omo j á di ss e, c rei o teresa s id o uma contra da rea sao es cao do primeiro, a l uz doque e x p lic u ei, o vaso do seja o mi ov vim en, o da terra, br, em s eu ei xo fo i co rr rigido d ep o is da al teresa raçao r es sula tnt te da ma gn it u de dele , eva ad di s sima, do primeiro, o da dag g rande mat ança espanhola , tnt, tambem apareceu neste texto relativo ao passe com a senhora com as duas meninas, aqui narrado, tnt, grupo cds, guedes dos olivais, assim dizia uma carrinha no dia seguinte ali parada a piscar

tnt, t am tambem ap ar e receu nest e tex t o r dela t ivo cao do passe com da primeira sen hor a c om as de duas meninas, a qui aqui na rr ad o, tnt, g rupo cds, guedes dos olivais, as si maior di zorro do ia , uma cd car rinha do no do dia seguinte, tv, ali ip da parada primeira pi is serpente car, terceiro do vi dag da gula do quadrado do primeiro, socrates, soc rat es, t rec iro rodo vi dag da gula do quadrado do prime do rio soc art es, o do socrates, a besta

pois como recordais, esta foi a maior das matanças que ocorreu neste anos da grande tragedia, a outra de seguida pelo numero de mortes, a segunda guerra do iraque, e sempre meu coraçao sentiu uma grande peso e interrogaçao sobre este primeiro tsunami, por tudo o que aqui expliquei, a ultima coisa que ouvi pelo espirito recentemente sobre este assunto, depois de ter publicado uma cançao do antonhy, com um cogumelo atomico, algum tempo depois, foi ter escutado pelo espirito que eles o tinham feito, feito o que, arrebentado uma bomba nuclear, e achei tao extraordinario este escutado que pensei ser uma invençao, contudo continua em mim, esta ultima imagem, sobre uma possivel causa do tsunami

p o is c omo recorda is, e sta fo ia primeira do mr maior, a das matanças q u e oco cor reu nest, é ano serpente esd da g r ane t rage dia, a outra de se guida p elo nu mer ero de mo rte s, a da segunda guerra do iraque, é se mp re m eu cora rt raçao es s en ti vaso uma g rande peso, e inter r o g aç sao es s ob re este, prime iro tsunami, por tudo o q u e a qui e x p lic vv ue ia da primeira ,u l t ima co isaque o u vi p elo es pi rito rec en te m nt e s ob re este assunto, d ep o is de tereza pub l ci ad uma can sao es do anton h y, com um cogumelo, dop, ato mico, al gume te mp o de pp is, fo i teresa es cu t ad o p elo es p ei rito q u e deles, o tinha ham am f ei t o, feito, o q u e, ar r e ben t ado , uma b o mba nuc lea rato ar ps, e ac hei tao e x t ra o r dina rio este es cu tao q u e pen s ei ser uma in v en sao es, cn tudo c on tin ua em mim, e sta u l t ima ima ge maior s ob re, uma p oss iv el ca usa sado ts un am mi, i,

porque de alguam forma ela se encaixa tambem numa linha de um filme que aqui comentei recentemente, sobre os problemas com a terra mae, aquele onde a bela patinha desce ao coraçao da mae dentro de uma cobra minhoca, para resolver o problema da paragem do nucleo, que tem como consequencia o desregular completo da vida na terra, e ainda por outra razao, de outra natureza, que igualmente e pela logica se apresenta plausivel, de poder ter estado por detras dos motivos da explosao de uma bomba nuclear, se tal aconteceu


por q u e de al guam forma dela, se en caixa tam be maior numa lina hd , e um fil meque a qui aqui com en t ei rec en te mne maior da nete, s ob r e os pro bel ma s com da primeira terra mae, aquele da onda da primeira bela patinha, des ce cao cora raçao es da mae, den rt o de uam cabo ra mino cha, para r es solver o pro b l ema da pa rege maior do nuc leo, q u e te mc omo son seq u en cia do circulo d es re gular co mp l e to da vid a na terra, é a inda por outra r az sao es, de outra na ture za, q u e i g ual lem nt e ep l a logica se ap rese sena t palu s iv el, de pod der fer teresa estado por, det r as dos m not iv os da explosao de uma bo mba u lul c nuc lea ar, set al ac on teceu,

a este assunto lá irei em pormenor, contudo, volto um bocado atras, para completar a imagem aqui ao lado, no dia cinco de agosto

primeira de este assunto, l á ire rei ei em por men o rato, c on tudo, vol t o um bo cado at r as, para co mp lea t ra a ima ge maqui ao l ado, nodo do dia cinco de agosto

em suma recordadndo, o que alio li, foi, primeiro a relaçao com a imagem da letucha e os fios que aqui já expliquei, depois no eixo, a tal cortina semi aberta na janela da direita , de frente, das duas que estao por cima do cento e tres, e mafal, que li como a má fal, do forte da al, e por essa matricula de uma pequna carrinha, ondas atlas, e o home com face e olhos de rato, ps, saindo de uma outra, dos cabos, com o tal remoto onde se ouvia my god

em s uma reco r da dn do, o q ue al io li, fo i p rime iro primeira da relaçao, com da primeira ima ge maior da let u cha, é os fios q u e aqui j á e x p lic u ei, d ep o is no ei xo, a t al cor tina s emi ab e rta na jane lada direita , de fr en te, das duas, q u e es ato por c ima do c en toe tres, e n ma f al, q u e li c omo a má fal, do fo rte da al, e por e s a m a t rio vaso dela, de uma pe q u n a car rinha, ondas atl as, é circulo do home com da face , é olhos de rato, ps, sa indo de uma outra, dos cabos, com do circulo t al r moto one ned ed se o uv ia m y god

continua...